Parasitas que você não se lembra, mas podem estar hospedados aí!


PARASITAS INTERNOS DOS CÃES E GATOS

caes-bebe

Os parasitas internos ou parasitas que vivem no interior dos hospedeiros. Neste grupo incluem-se o que vulgarmente denominamos de lombrigas intestinais e Tênias.

Esses parasitas internos dos cães e gatos, além dos danos que causam à saúde dos mesmos, ainda constituem uma ameaça real para a saúde dos humanos, em especial e para aqueles que convivem diretamente e próximo como as crianças. Cuidados com a higiene e o uso regular de vermífugos que sejam capazes de provocar a eliminação desses parasitas, seguros e adaptados às espécies em questão, são indispensáveis para salvaguardar a saúde de todos que convivem no ambiente que pode estar sendo ocupado por um hospedeiro infestados desses oportunistas. (homem e animais incluídos).

Podem estar infestados de parasitas os meus animais domésticos?

 

SINTOMAS MAIS COMUNS?

As infestações por parasitas são muito comuns em cães e gatos, contrariando o que muitos pensam, os cães e gatos seja no meio rural ou urbano.

É sabido que todos os cães e gatos, em alguma fase da vida, vai estar infestado com vermes redondos. O grau de infestação dos animais depende de muitos fatores, é variável, condicionando assim o tipo de hospedeiro, a severidade de sintomas que os mesmos podem apresentar.

Assim, mesmo em alguns casos não apresentando sintomas, a simples presença de ovos, larvas ou parasitas nas fezes, prurido anal, pelo sem brilho e quebradiço, vômito, diarreia, obstipação (má digestão), perdas de peso e condição corporal, anemia, são possíveis sintomas que podem evidenciar a presença dos indesejáveis parasitas.

Os ovos dos parasitas são tão resistentes que podem sobreviver anos no solo, combinada com o potencial de proliferação dos parasitas (uma única fêmea de ascarídeo pode contaminar cada porção de 1 grama de fezes de um cão com 700 ovos por dia!), explicam a disseminação alargada destes parasitas por todo o mundo, independentemente de todos os cuidados que se possam ter.

QUAIS OS TIPOS DE PARASITAS EXISTEM?

Cães e gatos podem estar infestados com diferentes tipos de parasitas, mas essencialmente existem dois tipos de vermes: o de corpo redondo (Nemátodes), conhecidos como “lombrigas” e os de corpo achatado (Céstodes), conhecidos como Tênias.

Os Ascarídeos são os Nemátodes mais comuns em gatos. A sua forma lembra um fio de esparguete e o seu tamanho ronda os 10 cm na fase adulta. Uma infestação massiva provoca no animal um aumento do abdomen, diarreias, vômitos e atraso de crescimento e pode inclusive conduzir à morte do animal por obstrução intestinal. Estes parasitas alimentam-se essencialmente do conteúdo existente no intestino do hospedeiro.

Os cães, além dos Ascarídeos, que têm o mesmo aspecto mas são maiores (18 cm na fase adulta) e que podem provocar os mesmos sintomas, são também infestados por outro tipo de Nemátodes: Ancilostomatídeos eTricurídeos.

Os Ancilostomatídeos são hematófagos, ou seja, sugam o sangue e conduzem a anemias por hemorragias, acompanhadas de diarreias sanguinolentas (fezes escuras) e o seu tamanho ronda os 18 mm. Os Tricurídeos atingem 7,5cm de comprimento, penetram a mucosa intestinal na região do intestino grosso, provocando fezes muito líquidas, contendo sangue in natura.

As Ténias assemelham-se a um fio de pevides. A mais comum dá pelo nome de Dipylidium caninum e infesta cães e gatos. Atinge o comprimento de 60 cm. Pequenos segmentos esbranquiçados em redor do ânus significam normalmente infestação de Tênias. Os cães são ainda infectados por outras espécies de Tênias, incluindo  a Echinococcus granulosus, que pode provocar lesões graves no homem, quando o mesmo se infesta acidentalmente.

Os parasitas, são também responsáveis pela depressão do sistema imunológico dos animais, tornando-os mais suscetíveis a infecções virais e  bacterianas.

COMO É QUE O MEU CÃO/GATO SE INFESTA?

parasitas-caoPor transmissão vertical (da mãe para os filhos):

a) Via Transplacentária – enquanto fetos, durante a gravidez, através da placenta das cadelas (ex: ascarídeos);

b) Via galactogénica – durante a fase de amamentação através do leite das mães (ex:ancilostomatídeos).

Por transmissão horizontal:

c) Via oral – por contato direto (ingestão) de ovos e ou larvas infestantes presentes em outros animais, quando se lambem, ou no meio ambiente, na água ou alimentos. Também através da ingestão de hospedeiros intermediários (ratos, pássaros, pulgas…) portadores de formas infestantes (ex: Tênias);

d) Via transcutânea – por penetração ativa de larvas através da pele (ex: ancilostomatídeos).

COMO É QUE O HOMEM SE INFESTA?

• Na grande maioria dos casos, acidentalmente, através da ingestão de ovos ou larvas infestantes, devido ao contato estreito do homem com cães e gatos, e com o meio ambiente ou alimentos contaminados.

• As crianças correm particular risco ao brincarem com animais parasitados ou em areais ou gramados conspurcados com fezes de cães ou gatos (pelo hábito de levarem tudo à boca e dessas zonas estarem potencialmente contaminadas).

• Larvas de Ancilostomatídeos podem infestar o homem através da pele (via percutânea) por penetração ativa direta.

O QUE SE PODE E DEVE FAZER PARA PREVENIR OS PARASITAS?

Além das medidas normais de higiene, das pessoas e do meio ambiente (lavar as mãos, eliminação das fezes dos animais, limpeza e desinfecção dos canis e gatis, lavagem de frutas e legumes, beber água de origem segura), e da eliminação das pulgas dos animais com produtos efetivos e adequados a cada espécie (pois a ingestão de pulgas pelos animais quando estes se coçam, mordiscando o pêlo, pode infestar os mesmos com Dipylidium caninum), deverá proceder ao tratamento (desparasitação interna) regular dos animais de forma preventiva e sempre que diagnostique a infestação por parasitas no seu animal (ex: ovos, larvas ou parasitas presentes nas fezes). Os cachorros e os gatinhos devem iniciar a desparasitação interna aos 15 dias de idade. Use apenas produtos destinados especificamente para uso veterinário. O seu Veterinário é o profissional mais indicado para lhe aconselhar que programa de desparasitação seguir, pois o mesmo pode ser diferente e adaptado a cada caso particular. No entanto, de uma forma geral, deve desparasitar o seu animal:

Filhotes

Cachorros ou gatinhos (até aos 6 meses de idade):

• De 15 em 15 dias até aos 3 meses de idade;

• Depois, uma vez por mês até aos 6 meses.

Adultos:

• Desparasitar regularmente, idealmente de 3 em 3 meses.

Fêmeas em reprodução:

• Antes da cobrição e na altura do parto;

• Às 2 semanas e às 4 semanas após o parto (juntamente com as crias).

Fonte: www.animalmed.pt

 


Nenhum comentário



Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Blue Captcha Image
Atualizar

*

Quem Somos

Somos um grupo, preocupados com a disseminação das melhores informações que possam vir a contribuir no seu cotidiano, bem como auxiliar na resolução de dúvidas e ou problemas que possam surgir em assuntos diversos, e ainda suprir a ânsia pelo conhecimento!

Leia Mais